Parceria entre Casal e Sistema Prisional transforma óleo de cozinha em produtos de limpeza

O óleo de cozinha usado, quando descartado nos ralos das pias, em primeiro momento causa entupimento na rede interna do cliente e, posteriormente, na rede coletora de esgoto, causando danos materiais. Ao longo do seu percurso, o óleo pode chegar aos rios e mares e causar danos ambientais, impedindo a entrada dos raios solares, oxigenação da água e o crescimento dos seres vivos.

O projeto Recicla Óleo é destaque na Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e tem contribuído com o combate ao descarte incorreto do produto. Trabalhando com duas vertentes, social e ambiental, a Unidade de Negócio Benedito Bentes, da Companhia, desenvolve o projeto desde novembro de 2011.

A coleta é realizada mensalmente e garante pontos fixos, são eles: a loja de atendimento ao cliente do Benedito Bentes, três escolas, sete condomínios e cinco pontos comerciais existentes na área atendida pela Unidade, recebendo em média cerca de 200 litros de óleo por mês.

O material recolhido é enviado à oficina de saneantes localizada no Sistema Prisional de Alagoas, onde é transformado em produtos de limpeza, como sabão e desinfetante, gerando oportunidades de emprego, geração de renda e socialização para os reeducandos.

“É um projeto socioambiental, pois além de sensibilizar as pessoas através de palestras, folders, sobre a questão de não jogar óleo na rede coletora de esgoto, tem a parte social, que é a questão da doação do óleo no Sistema Prisional, uma vez que todo sabão, detergente e desinfetante utilizado no sistema é fabricado com o óleo de cozinha reciclado,” explicou a coordenadora do Programa de Educação Ambiental da Casal, Vivianne Barbosa.

Ativa há quase 10 anos, a oficina foi impulsionada com o projeto De Olho no Óleo, desenvolvido na gerência de Educação, Produção e Laborterapia (GEPL). “Além do aprendizado, eles recebem a remição da pena pelo trabalho, pois a cada três dias trabalhados equivale a um dia a menos na pena, além da remuneração, recebendo a partir de ¾ de salário mínimo depositado diretamente na conta”, explicou a agente penitenciária e gerente de Educação, Produção e Laborterapia, Andréa Rodrigues.

“A oficina tem causado um impacto muito positivo, chegando ao alcance da família, pois os reeducandos adquirem a conscientização da preservação do meio ambiente e criam uma ação educativa com seus familiares, disseminando conhecimento sobre o descarte indevido do óleo nos ralos ou no meio ambiente”, completou a gestora.

Na Companhia, a Unidade de Negócio Benedito Bentes e a Gerência de Controle Ambiental (Gecam/Sumaq) trabalham juntas para maior desenvolvimento das atividades, a expectativa é levar em breve o projeto para outras Unidades de Negócio, atendendo, assim, outras áreas da capital.

Para o morador que não está próximo à região atendida, mas deseja fazer parte do projeto, a Casal disponibiliza o número 3315-6315, quando solicitado, o multiplicador ambiental da Companhia agendará uma visita para detalhar o projeto. Em casos de comércio ou condomínio, o solicitante deve informar o endereço ao ligar, feito isso, uma equipe será disponibilizada para recolhimento no local. Já contribuição de pessoa física deve ser entregue na loja de atendimento da empresa, localizada no bairro Benedito Bentes.

Ascom – 18/03/2019

(Visited 7 times, 1 visits today)